SEBRAE APRESENTA NOVO POSICIONAMENTO ESTRATÉGICO PARA AS INDÚSTRIAS CALÇADISTAS

70

O Sebrae apresentou no Sindinova, nessa terça-feira (27), uma pesquisa sobre as oportunidades e desafios para as indústrias do setor calçadista. Os dados têm como base de referência as perspectivas de mercado para os próximos dez anos.

No documento, foram destacadas informações de comportamento e padrão de consumo da geração Y. Além disso, foram mencionados também detalhes como estilo de vida, faixa etária e preferências que ditarão as novas escolhas deste público.

Apesar de a tendência é haver uma menor compra de calçado, pelas novas gerações, a média atual se mantém em quatro pares por habitantes. A participação do calçado feminino é destaque com quase 60% do mercado.

Segundo o analista técnico do SEBRAE, Dênis Magela, as avaliações servem para medir as projeções futuras e ajudar a tomar as decisões mais assertivas.

“Trata-se de uma visão do reposicionamento do Polo de Nova Serrana com foco na sua sobrevivência e na sua ampliação. Agora, começamos uma parceria com os empresários, de suma importância, que é de revisitar o que foi construído e projetar para os próximos 10 anos quais serão as mudanças necessárias de estratégias, de posicionamento para que a gente possa ter a ampliação e consolidação de mercado”, ressaltou Magela.

O presidente do Sindinova, Ronaldo Lacerda, atentou para a quantidade de pontos de vendas não atendidos pelo Polo de Nova Serrana e também sobre a qualidade dos produtos.

“A apresentação mostra um mercado muito grande no Brasil do varejo de calçado. Temos 26 mil pontos de vendas no país e nossas empresas trabalham com um número bem reduzido, às vezes, focando as vendas somente em alguns clientes e deixando uma quantidade grande de médios e pequenos de fora da sua carteira. Outro ponto é o amadurecimento de mercado com produtos que atendam às necessidades do consumidor de não estar só calçado, mas estar bem calçado”, enfatizou Lacerda.

Oportunidades

A apresentação apontou alguns parâmetros que devem ser levados em conta pelos fabricantes de calçados. Segundo o levantamento, as empresas devem adotar uma nova estratégia e focar os produtos não somente no cliente (lojista), mas, essencialmente, no consumidor final.

Outra alternativa são as exportações que tendem a crescer nos próximos anos, seguido de produtos com alta qualidade. Calçados voltados para a sustentabilidade também ganham apreço junto ao mercado consumidor, além de ter um valor agregado maior.

Os canais de vendas on-line e a presença no mundo digital serão grandes aliados para as marcas que querem se destacar. Outros modelos de negócios também podem ser os diferenciais e garantir um maior faturamento, como é o caso da venda de calçados em supermercados.

Texto e Foto: Sindinova